Preparativos da viagem

O primeiro e principal preparativo para uma longa viagem à África é o cuidado com a saúde. Tomar as vacinas recomendadas para cada país africano que se pretende visitar.
Na rede pública do Rio de Janeiro, dispomos dos serviços do Centro de Medicina de Viagem do Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (IPEC/FIOCRUZ) e do Centro de Informação em Saúde para Viajantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CIVES/UFRJ). Nesses dois centros, é possível agendar uma consulta com um infectologista, que receitará as vacinas adequadas, considerando o histórico de saúde do viajante e o local de destino na África. Na rede privada, existe o Centro Brasileiro de Medicina do Viajante (CBMEVI) da Clínica de Vacinação Vaccini. Nem todas as vacinas estão disponíveis na rede pública. É possível tomá-las nas clínicas Vaccini e Neovacinas.
No meu caso, como pretendo conhecer, além da África do Sul, outros países africanos (Namíbia, Tanzânia, Moçambique, Quênia), tomei, por recomendação médica, quase todas as vacinas existentes. Foi uma maratona. Meu calendário de vacinação para adulto não estava em dia e comecei me vacinando contra Tétano, Difteria e Febre Amarela.
Para quem vem para a Copa do Mundo, a Febre Amarela é uma vacina obrigatória para entrar na África do Sul. É possível tomá-las nos postos públicos de saúde, mas o Certificado Internacional de Vacinação é retirado, somente, no posto da Anvisa no aeroporto do Galeão.
Essa é a extensa lista das demais vacinas que tomei: Hepatites A e B, Tríplice Viral (sarampo, caxumba e rubéola), Antimeningocócica A e C,  Cólera, Febre Tifóide e Pólio.
Importante destacar que não existe vacina contra Malária. A profilaxia para prevenção da doença é usar repelente com a substância Picaridina com concentração de 30 a 50%, diminuir ao máximo a exposição do corpo, utilizando, por exemplo, camisas de mangas longas, optar por hospedagem com ar condicionado ou mosquiteiro e tomar 1 comprimido da substância Doxicilina uma vez por dia, tomando-se 2 dias antes da viagem e  4 semanas após o retorno da área de risco. Essas foram as recomendações do infectologista da FIOCRUZ.
O ideal é realizar a consulta da medicina do viajante com antecedência. Eu deixei para a última hora e só tomarei a última dose da vacina contra Hepatites A e B aqui, em Cape Town.
Fiocruz:
Cives/UFRJ:
Neovacinas:
Vaccini:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: