A Mulher e a Morte

“Olha-se no espelho e se odeia. Olha-se no espelho e gosta do que vê. No espelho ora se reconhece, ora sente estranhamento. Tem vontade de chorar. Sente a fúria do destino. O espelho reflete a mulher que para ele olha, mas reflete também o mundo e o outro, no qual ela se espelha, e que, por sua vez, espelha-se nela. Tudo vai se espelhando e e já não é possível saber quem é ela, quem sou eu e quem é você. O velho triste é hipnotizado pelo espelho do elevador, assim como a criança sardenta e como ela, que retoca o batom. Seria somente vaidade?

Ela não é a primeira, nem será a última, dela já nasceu outra, que mesmo pequena sabe que é mulher. É noite, faz frio, ela está sozinha deitada na cama. Pariu, sofreu, tem alma. Do que sabia Aristóteles? De poética e Filosofia? Ela aprendeu a ler, mas aquela escritora, um século atrás, foi impedida de entrar na biblioteca. A razão? Era mulher. Ainda é noite, escura, mas ela já pode votar. Mulheres escrevem livros sem ter de usar pseudônimos. Ela nasceu com direitos já conquistados. Estudou matemática, leu filósofos, prosadores e poetas, tirou boas notas, passou de ano, tem bacharelado, mestrado e doutorado. Casou-se, criou os filhos, divorciou-se e voltou a se casar. Trabalha, paga suas contas, mas gosta quando a convidam para jantar. Faz ginástica, regime e aplicações de Botox. No meio do caminho tinha uma pedra. É difícil ser mulher? É difícil ser mulher sem cintura fina e a juventude ao lado? Ela crava os olhos no espelho. A mocidade vai embora, a beleza vai embora, o vigor vai embora. Só quem não vai embora é a morte.

Mas sem a consciência da morte não existe vida, nem reflexo no espelho que garanta a ela estar viva, com todas as possibilidades que ali se espelham, transfiguram e produzem, fazendo com que o agora, o instante-já, seja a eternidade.

E com a morte, qual o destino da sua consciência? A total inconsciência? Essas concepções, essas crenças sobre ressurreição, reencarnação são meros artifícios cujo objetivo é nos tornar menos solitários, ou infelizes, ou temerosos. Na verdade, a morte é o começo e o fim de tudo basta olhar no espelho.”


Por Paula Parisot, escritora brasileira.

Revista O Globo, 27 de julho de 2014.

Reflexo. África do Sul. Dezembro 2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: